14/04/14

Lixo e suicídio: pontos de partida para a reciclagem - CVV vila Carrão

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
CURSO PARA NOVOS VOLUNTÁRIOS - CVV Vila Carrão
Inicio: 17 e 18/05/2014   / Horário: das 13 as 18h 
Contato: vilacarrao@cvv.org.br / 96439-3886 (tim) / 2097-4111
 
------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Lixo e suicídio: pontos de partida para a reciclagem 

O jornalista da Globo News, André Trigueiro, apresentador do programa Mundo Sustentável e
voluntário especialista do CVV, Regional Rio-Vitória, em www.mundosustentavel.com.br, faz uma notável e interessante analogia entre o catador de lixo e o mundo sustentável, quando afirma que ambos guardam afinidades importantes. Nos parágrafos a seguir escreve ele alternando as significativas comparações:
Em primeiro lugar, ambos desafiam o tabu de lidar com assuntos que a sociedade abomina ou despreza. Seguem na contramão do senso comum, desafiam a cultura dominante, lidam com o preconceito.
O catador enxerga os resíduos com outros olhos. Ele não perde tempo com o lixo. Separa apenas o que ainda tem serventia e lhe garante o sustento.
O voluntário do CVV enxerga o ser humano com outros olhos. Acredita no valor de cada um, na capacidade que temos de dar a volta por cima. Por pior que seja a situação de quem o procura, o voluntário investe tempo e energia no exercício da escuta amorosa, resgatando o valor e a autoestima de quem muitas vezes se sente um trapo.
O catador ajuda a reduzir o monumental volume de resíduos que satura os aterros e lixões. O voluntário do CVV ajuda a reduzir a perturbação que satura a alma e impede a correta avaliação dos fatos.
O trabalho realizado pelo catador reduz os indicadores de desperdício. Reciclagem significa economia de matéria prima e energia. O trabalho realizado pelo voluntário do CVV reduz as estatísticas de suicídio. A existência do CVV implica na economia de dor, de sofrimento, e consequentemente, de suicídio.
O lixo contamina o solo, a água, o ar. Sem o catador, a quantidade de resíduos contaminados espalhando doenças seria maior. Em contato com a sujeira, os recicláveis viram problema, e ganham status de caso de saúde pública. A reciclagem não é a solução definitiva, mas ajuda.
O suicídio também é caso de saúde pública e foco de contaminação. Especialistas da área de saúde estimam que para cada caso de suicídio, um grupo próximo de aproximadamente dez pessoas, entre parentes e amigos, carrega um trauma para o resto da vida. Sem os voluntários do CVV, o número de suicídios ou pessoas perturbadas seria certamente maior. O CVV não é a solução definitiva para o problema do suicídio, mas contribui efetivamente para a prevenção.
Para a reciclagem de lixo acontecer, basta separar aquilo que pode ser reutilizado. É um gesto simples, não requer erudição, nível superior nem conhecimentos técnicos sofisticados. Basta boa vontade.
Para a reciclagem de pessoas acontecer, a experiência do CVV também demonstra que não é preciso erudição, nível superior ou conhecimentos técnicos sofisticados. Basta boa vontade.
Os estudiosos do lixo afirmam que tudo absolutamente tudo o que é descartado tem serventia. Até a parte orgânica do lixo tem a sua riqueza: pode virar adubo natural de ótima qualidade ou fonte de energia pela utilização do gás metano. São Paulo abriga a primeira usina de energia do Brasil sobre um aterro de lixo (Aterro Bandeirantes) que abastece duzentas mil pessoas.
Os estudiosos da alma afirmam que cada um de nós é único no universo, portanto cada existência guarda consigo uma singularidade, um valor inerente à vida. Até os momentos de dor e de sofrimento são especialmente ricos pelas lições que nos trazem, pela fortaleza que construímos dentro de nós a partir dessas experiências. Para que possamos descobrir essa riqueza por nós mesmos, é que existe o CVV. São Paulo abriga desde 1962 o primeiro grupamento de voluntários que abraçaram com alegria e determinação essa causa. A partir de São Paulo, o Brasil inteiro está sendo fecundado pela semente do bem, trazida pelo CVV.
Que a reciclagem de materiais ou de pessoas continue inspirando gestos e atitudes na direção de um mundo mais justo, feliz e sustentável.

Lixo e suicídio: pontos de partida para a reciclagem
Seção: De olho na notícia
Artigo: Lixo e Suicídio: pontos de partida para a reciclagem
Autor: Comissão Redatora do Boletim
Posto: Comissão Redatora do Boletim
1149/05/05/2010

 

07/04/14

A ambivalência que precede o suicídio - CVV Vila Carrão

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
CURSO PARA NOVOS VOLUNTÁRIOS - CVV Vila Carrão
Inicio: 17 e 18/05/2014   / Horário: das 13 as 18h 
Contato: vilacarrao@cvv.org.br / 96439-3886 (tim) / 2097-4111

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A ambivalência que precede o suicídio - CVV Vila Carrão

Periodicamente determinados vulcões entram em erupção dizimando com seu material magmático dezenas de cidades, povoados e campos, como aconteceu há pouco tempo na Islândia, quando um vulcão encapsulado sob uma geleira foi capaz de, com sua força, lançar nuvens de cinzas que prejudicaram o tráfego aéreo na Europa. Na Itália não foi diferente: violentas e incandescentes lavas do Etna espalharam terror sobre os habitantes da região, provocando fuga e morte quilômetros afora.
Por outro lado, não menos catastróficas, em algumas épocas do ano, são as destruições provocadas pelas chuvas que ultrapassam os níveis pluviométricos suportáveis pela natureza, vindo a causar enxurradas, fazendo transbordar rios que de roldão levam e matam o que encontram à sua frente, fato que ocorreu há pouco na região serrana do Rio de Janeiro.
Ante estas cenas avassaladoras cumpre-nos reportar-nos a uma catástrofe individual - o suicídio -, mas tão estarrecedora e preocupante quanto os cataclismos coletivos, já que envolve vida e, em se tratando de vida, uma única que seja, é o suficiente para que nos debrucemos sobre a questão.
É fato que antes da consumação do suicídio ou da tentativa frustrada o indivíduo se debate numa série de conflitos, os quais o sim e o não, o querer e o não querer morrer passam por várias gradações de intensidade dolorosas e aflitivas.
É como estarmos num trapézio, as mãos e os pés executando cautelosamente malabarismos na barra de ferro, mas pouco nos incomodando com o fato de que, lá embaixo, falta a rede capaz de amparar-nos na queda eventual.
É como viajarmos num navio seguro para um país longínquo, contudo nos recusando a simular exercícios num bote salva-vidas, medida preventiva para o caso da ocorrência de um naufrágio.
É como dormirmos e acordarmos ao sopé de um vulcão que, mesmo tido como extinto, a qualquer momento poderá entrar em erupção.
Reza a lenda que o filósofo pré-socrático Empédocles (490 a. C / 430 a. C.) teria se suicidado atirando-se numa das crateras do Etna, para provar que era um deus.
E que sentimentos levam algumas pessoas, conscientes de sua condição humana, sem a ostentação de pretender ser um deus, superada a fase de ambivalência, jogar-se nas suas próprias crateras interiores, valendo-se dos mais diversos meios de destruição?
Como voluntários do CVV não nos cabe julgamento, apenas compreensão para tão desolador ato, embora o bom senso nos indique que enquanto estiver ao nosso alcance a possibilidade de salvarmos a quem nos liga, devemos empreender todos os esforços nessa direção. Com a nossa ajuda, uma vez desaparecidos os sentimentos opostos que atormentam o outro e, o desabafo é preponderante neste trabalho de aliviar suas dores, talvez este seja o primeiro passo para que ele tome a iniciativa de fazer a sua opção pela vida.

Seção: Painel Livre
Artigo: A ambivalência que precede o suicídio
Autor: Bartyra
Posto: Recife (PE)
1258/14/03/2011

24/03/14

Missão: Valorizar a Vida

   Valorizar a Vida, contribuindo para que as pessoas tenham uma vida mais plena e, consequentemente, prevenindo o suicídio, é a missão do CVV, que a 52 anos, oferece apoio emocional gratuito no Brasil, cabe aqui discorrer um pouco sobre como se dá esta missão no dia a dia de um Posto de Atendimento.

   Durante 7 dias por semana, 24 horas por dia, os 40 voluntários do CVV Vila Carrão, único posto na zona leste da cidade de São Paulo, se revezam em um plantão semanal para doar um pouco de seu tempo e do seu melhor como ser humano, disponíveis para escutar empaticamente a pessoa que procura o CVV, trata-se de uma conversa em que se pode falar sem restrições de seus sentimentos mais profundos, pois o sigilo é garantido.

  Sabemos que quando alguém nos compreende verdadeiramente, sem julgamentos ou opiniões, podemos nos sentir valorizados e respeitados como ser humano. Além de, através da reflexão ao ouvirmos a nós mesmos, nos sentirmos aliviados por darmos vazão à pressão que angustia, e quem sabe encontrar novos caminhos e possibilidades que até então não estavam acessíveis devido ao sofrimento vivido.

   Este ambiente de escuta que propicia acolhimento e o respeito ao ser humano provocam sensações de bem estar àquele que, por um momento, precisa desabafar com alguém.

16/03/14

A Escuta Empática


A empatia é uma característica importante e de constante desenvolvimento quando se pratica o voluntariado no CVV, proporciona um conhecimento abrangente das diversas maneiras de ser e sentir do ser humano, e consequentemente auxilia no autodesenvolvimento, pois ao conhecer outro ser humano em sua essência, adquirimos ferramentas para conhecer a nós mesmos. Abaixo um artigo sobre o tema publicado no Boletim do CVV em fevereiro de 2013.

 

 A Escuta Empática

 

Para Carl Ransom Rogers a compreensão empática é uma das atitudes mais importantes na relação de ajuda porque implica em ouvir o cliente.

Ouvir é uma maneira impor­tante de ajudar e essa escuta deve ser empática.

A maneira de ser do voluntá­rio, em relação à outra pessoa, denominada empática tem va­rias facetas. Significa penetrar no mundo perceptual do outro e se sentir totalmente à vontade dentro dele. Requer sensibilidade constante para com as mudanças que se verificam nesta pessoa em relação aos significados que ela percebe quanto ao medo, à raiva, à ternura, à confusão ou ao que quer que ela esteja vivenciando. Significa viver temporariamente sua vida, mover-se delicadamen­te dentro dela sem julgar, perce­ber os significados que ela quase não percebe, tudo isso sem ten­tar revelar sentimentos os quais a pessoa não tem consciência, pois isso poderia ser muito ame­açador. Implica em transmitir a maneira como o plantonista sen­te o mundo dela à medida que examina sem viés e sem medo os aspectos que a pessoa teme. Significa, frequentemente, avaliar com ela a precisão do que sente e se guiar pelas respostas obti­das. Assim o voluntário passa a ser um companheiro confidente dessa pessoa participando do seu mundo interior.

Quando há esse tipo de am­biente, a tendência construtiva do cliente é liberada e ele cresce na direção de se tornar a pessoa que realmente existe por trás das máscaras.

Não se pode afirmar que o CVV adotou inteiramente o mo­delo de relação de ajuda dessa corrente da psicologia, entretan­to, é possível dizer que os volun­tários se “apropriaram” de alguns conceitos de Rogers referentes às condições que proporcionem uma relação de ajuda eficaz, por terem sido relevantes para o tipo de trabalho que faziam. Por isso, o Boletim do CVV no artigo Um Jeito de Ser, de fevereiro de 1987, comenta: “Somos rogerianos, sem duvida, no sentido da orien­tação para a nossa postura diante do atendido.

Evidentemente, o voluntário não é técnico-terapeuta, embora a sua conversa possa ter efeitos terapêuticos, baseados nos pro­cessos simples e encontradiços da solidariedade humana. Creio que seria imperdoável se o plan­tonista não assumisse esta posi­ção”.

Resenha da dissertação de mestrado

André Barreto Prudente - FFCLRP-USP

Fonte: Boletim do CVV, Fev. 2013, Ano 47, nº 454, pág. 7

08/03/14

CVV oferece Apoio Emocional e Palestra no Dia Internacional da Mulher


Neste dia Internacional da Mulher o CVV Ações Comunitárias da regional São Paulo, juntamente com o CVV Abolição desenvolve duas atividades em prol das mulheres da nossa cidade. No período da manhã voluntários do CVV Abolição se disponibilizarão para uma conversa acolhedora com um grupo de mulheres atendidas no Hospital Pérola Byington – Centro de Referência da Saúde da Mulher localizado na região central; e no período da tarde haverá palestra para mulheres no bairro de Guaianazes, zona leste da cidade, com o tema Valorização da Vida e Saber Ouvir, que será realizada pela equipe de palestras da regional São Paulo, cujos preparativos foram feitos nesta manhã no CVV Vila Carrão.

Na prática, além do serviço voluntariado de apoio emocional oferecido 24 horas por dia, todos os dias por semana, por telefone, chat, Voip e e-mail, o CVV através das Ações Comunitárias, de forma proativa procura levar a visão de valorizar a vida, contribuindo para que as pessoas tenham uma vida mais plena, além de proporcionar um espaço para o desenvolvimento da compreensão, solidariedade e autoconhecimento.

O campo do voluntariado no CVV é amplo, tanto para atendimento por telefone através de um plantão semanal, quanto para atividades na comunidade como as palestras. Se você se identificou com nossa proposta e se interessa em fazer parte das nossas atividades, ou conhece um local em que o CVV pode oferecer uma palestra, entre em contato através do e-mail: cvvsp@cvv.org.br.

Valorizar a Vida é isto o que o CVV faz.

07/03/14

Suicídio - CVV Centro Valorização a Vida



O suicídio é considerado pelo Ministério da Saúde como um problema de saúde pública, tirando a vida de uma pessoa por hora no Brasil, mesmo período no qual outras três tentaram se matar sem sucesso.

Trata-se de um problema que se pode prevenir na grande maioria das vezes e esse é um dos maiores esforços do CVV. O estudo e a discussão do tema suicídio é uma das formas mais eficientes de se promover a prevenção, pois esta só é possível quando a população, os profissionais da saúde, os jornalistas e governantes têm informações suficientes para conduzir as medidas adequadas e ao seu alcance nessa frente.

O CVV assumiu como tarefa, desde a sua criação, estimular essa discussão, ação esta que passou a merecer mais empenho nesses últimos anos.

Reunimos aqui textos, estudos e discussões a respeito do tema. Queremos a sua colaboração, seja você um pesquisador, profissional da saúde, educador, pessoa impactada diretamente pelo problema ou, simplesmente, um interessado pela vida humana.

Falando Abertamente sobre Suicídio (folheto voltado para jovens e adolescentes elaborado pelo CVV)

Comportamento suicida: conhecer para prevenir (cartilha para profissionais da imprensa elaborada pela ABP - Associação Brasileira de Psiquiatria)

Prevenção do Suicídio: Manual dirigido a profissionais das equipes de saúde mental (elaborada pelo Mistério da Saúde e OPAS - Organização Pan-Americana da Saúde)

Fonte: http://www.cvv.org.br/site/suicidio.html

23/01/14

Fev/2014 - Curso para Novos Voluntários CVV Vila Carrão

COMPARTILHE SEU MELHOR!!!!

CURSO PARA NOVOS VOLUNTÁRIOS - CVV Vila Carrão
Inicio: 01 e 02/02/2014   / Horário: das 13 as 18h 
Contato: vilacarrao@cvv.org.br / 96439-3886 (tim) / 2097-4111

Ser Solidário faz parte da natureza do ser humano
“CVV, Bom Dia?”
Você já pensou quem está daquele lado do telefone, do e-mail, do chat, da porta ou de uma carta do CVV? Aquele ser acolhedor que acompanha as pessoas nos momentos difíceis. Que ouve e não critica. 

Que ouve e procura compreender. Que não dá conselhos, nem faz.
Quem está do outro lado da linha é uma pessoa como qualquer outra, a única diferença é que ela disponibiliza algumas horas de um dia da semana para ser voluntário do CVV. Ela dá um pouquinho do seu tempo para estar ao lado de outras.

Com disponibilidade de doar calor humano os voluntários do CVV acolhem as pessoas. Cada voluntário antes de começar a atender passa por um curso gratuito, o PSV (Programa de Seleção de Voluntários). São palestras e aulas preparatórias visando apresentar o CVV, o perfil das pessoas que procuram o serviço, as atividades desenvolvidas pelos voluntários da instituição, como se dá a relação de apoio emocional e como direcionar a conversa para prevenir o suicídio e valorizar a vida. Os interessados, que devem ter mais de 18 anos, passam por duas fases, a primeira de conhecimento do Programa CVV e a segunda de estágios de atendimento e pode ser realizada de manhã, tarde ou noite.

Ao final do curso ou durante ele, as pessoas decidem se querem ou não se tornar voluntárias. E essas aulas são válidas, mesmo para quem não se acha preparado para atender pois são aprendizados que nos revelam mais uma forma de ver o mundo e as pessoas.

O CVV

Há mais de 48 anos, o CVV oferece apoio emocional gratuito à população pelo simples ato de ouvir. Pelo número 141 são cerca de 40 Postos CVV com atendimento 24 horas e cerca de 30 Postos Samaritano, integrados ao CVV. No Brasil, há uma  rede social com aproximadamente 2.000 Voluntários que se revezam em plantões semanais. 

     Visite nosso site: www.cvv.org.br.



Postado por: CVV Vila Carrão, CVV Zona Leste